• MULHERES-QUE-NÃO-SABEM-CHORAR - LILIAN-FARIASAno de lançamento:2016
  • Número de páginas:210
  • Editora: Giz
  • Skoob
  • Classificação:

Modelo3-5

  • Livro cedido pela autora*

 

Sinopse:A vida de Marisa é regida pelo controle. Seja à frente do seu trabalho ou da vida dos filhos, ela é racional, mantendo-se sempre fria, um ser à parte das banalidades, cuja única preocupação é ser um exemplo. Olga é sua antítese. Sentimentos à flor da pele, dor flagelando a carne, pensamentos embaçados pelo esquecimento proporcionado pelo álcool. Sozinha, preocupa-se em apenas ser, em um mundo cercado por fatos que não reconhece mais como seus. Enquanto isso, Ana e Verônica esbarram com o acaso.Duas senhoras solitárias, vizinhas e antagônicas. Será que um dia alguém acharia que poderiam viver em paz? Mais ainda, será que poderiam se apaixonar? Duas jovens livres e independentes. O que as impede de ficar juntas?Mulheres que não sabem chorar é mais que uma história de amor entre iguais. Junto a estas personagens tão humanas, o leitor vê-se despido dos preconceitos, pudores e medos. Ora crua, ora poética, a trama nos obriga a enfrentar o espelho e se ver como nunca imaginou antes. Pois ao mergulhar neste romance, o que fará você pensar não é a forma como vê o amor, mas sim a forma com que ele se volta em sua direção. Esteja preparado.

Difícil não se comover e ficar triste ao ler esse livro, nele conhecemos histórias reais de mulheres que sofreram abusos físicos e psicológicos. O mais triste disso tudo é ver que o que foi relatado nessa história pode estar acontecendo nesse exato momento com várias mulheres do Brasil e do mundo, infelizmente nossa sociedade ainda é muito machista.

 

Mulheres Que Não Sabem Chorar, mostra de forma clara e escancarada como nós somos vulneráveis e que algumas mulheres acabam se calando diante dos abusos, por conta do medo.

 

As personagens principais da história são: Marisa, Olga e Verônica. E cada capitulo é narrado por uma delas.

 

Marisa é uma mulher controladora, solitária, do tipo que não demonstra sentimentos e não se abre com facilidade. Do outro lado conhecemos Olga, vizinha de Marisa que vive alcoolizada para esquecer os problemas do passado, principalmente a relação com os pais que nunca aceitaram que ela gostasse de mulheres e não de homens. Quando jovem eles a enviaram para um sanatório para se tratar pois aceitar a sua orientação sexual, seria uma vergonha para a família. Os caminhos delas se cruzam, de uma forma inesperada, será que elas vão se apaixonar?

 

Conhecemos também, Verônica e sua relação complicada com Ana. O seu passado foi horrível e durante a história vamos conhecendo todos os seus medos e torcendo para que ela consiga seguir em frente.

 

“ Se aquelas pessoas no hospital ouviram minhas dores, devem saber que sou uma sobrevivente. Devem saber que sou mais uma mulher com histórias para conta. Devem saber que minha alma sangra. Que um dia, uma criança gritou, suplicou, e o mundo não ouviu” Pág 177

 

Me surpreendi muito com esse livro, confesso que chorei com alguns relatos pois a forma como a autora transmitiu os sentimentos dessas personagens me emocionou muito.

 

Em algumas partes as palavras foram bem duras e por isso peço que leiam esse livro de coração aberto e totalmente livre de preconceitos! Se preparem para encontrar temas polêmicos, mas que deveriam ser mais discutidos e falados, pois não é normal que em pleno século XXI, ainda aconteça tanta violência sexual, homofobia, machismo e preconceito.

 

O título é uma metáfora, hoje muitas mulheres não sabem chorar pois sempre a ensinaram a se calar. Então você que sofre algum tipo de violência, não se cale, GRITE! E você, que vê alguma mulher sofrendo maus tratos, por favor faça a sua parte, DENUNCIE!

 

"Duvidam das mulheres, fazem piadas e nos chamam de sexo frágil. Mas quem já experimentou a força de uma mulher ferida, sabe das dimensões de sua astúcia."

7 Comentários

  1. Olá!
    Promete ser bem tenso esse livro hein? Achei bem interessante e importante o tema abordado, mas particularmente não estou num momento para leituras com a temática. Acho muito importante ter mais abrangência o assunto retratado e gostei muito da sua resenha. Quem sabe faço a leitura em uma outra oportunidade?
    Bjs e até mais!

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi.
    Realmente eu acho que é um tema muito sério e que precisa ser discutido. Essa frase: as mulheres não sabem chorar porque aprenderam a se calar, é muito forte e verdadeira. Ainda mais com esse tal de mimimi que surgiu agora. Sempre que falamos que algo é machista ou preconceituoso, vem alguém logo em seguida, tentando diminuir e chamando de mimimi. Acho que estamos regredindo.
    Gostei da dica e pretendo ler, mas não no momento.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Oie! Tudo bem?

    uma amiga minha realizou a leitura desse livro e disse que é bem pesado mesmo os temas tratados nele, ou seja, por enquanto não irei realizar a leitura dele, mas acho muito bom que livros com histórias como essas estejam ganhando lugar nas nossas estantes!

    BJss

    ResponderExcluir
  4. Oiiii tudo bem??

    Comprei 2 livros com a autora, e um deles é este, quero muito ler e creio que irei me emocionar como você.
    Adorei a resenha e estou ansiosa para ler.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bom?
    Nunca havia ouvido falar nessa obra, mas a capa já me chamou a atençào. Em meio a tanta ficção, estava na hora de lançarem algo com esse intuito. Espero poder ler em breve!

    ResponderExcluir
  6. Como gostaria de ter oportunidade de ler ler este livro para ontem!
    Primeira vez que vejo sta obra.achei linda a capa é a sinopse me deu vontade de chorar e rua resenha quebrou meu coração.tsntas mulheres sofrem abusos e algumas não conseguem pedir ajuda .e saindo pedem são julgadas isto é trsite
    Espero poder ler em breve está obra

    ResponderExcluir
  7. Olá, Jéssica.
    Esse livro é tão importante por retratar uma realidade de um modo tão certeiro. Mesmo que seja doloroso, é importante lermos para nunca esquecermos o que o machismo faz com as mulheres todos os dias e para que possamos ajudar alguma mulher que se encontre em situações semelhantes às descritas no livro.
    Abraços.

    ResponderExcluir